quarta-feira, 5 de outubro de 2016

Como Evitar a Tristeza e a Depressão

Tristeza e Depressão são meros efeitos da ausência de um conjunto de funções sensoriais positivas, tais como as sensações de prazer, de bem-estar, de alegria, de saciedade e autoestima. Todo esse baixo astral tende a se agravar com a ansiedade e o estresse do dia a dia.

Esse conjunto de funções sensoriais positivas, por sua vez, só ocorre quando a pessoa mantém níveis elevados de alguns neurotransmissores, sobretudo da Dopamina e da Noradrenalina, associadas à Serotonina e à Endorfina.

Neurotransmissores, também conhecidos como hormônios, são substâncias químicas que fazem a interligação entre os neurônios, por meio de impulsos elétricos, permitindo ao cérebro interagir e controlar o funcionamento de cada uma das células do corpo e de cada função do organismo.

Por outro lado, constituem-se no sistema de indicadores responsável pela interação e mediação cerebral das respostas sensoriais emocionais e psíquicas, tais como as citadas sensações de prazer, de bem-estar, de alegria, autoestima, bem como sono, sede, dor, desejo sexual, fome, saciedade, etc.

Contudo, não é difícil elevar os níveis desses neurotransmissores e, com isso, reduzir sensivelmente ou eliminar a tristeza e a Depressão e, ainda, prevenir a ansiedade e o estresse. Basta adotar as seis recomendações listadas a seguir:

1.     Atividades Físicas de todos os tipos, com regularidade, especialmente aeróbicas, que aumentam a produção desses três hormônios acima referidos e de vários outros, além de combater a ansiedade e o estresse.

2.     Suplementação de Vitamina D3: O baixo nível de luz solar que recebemos diariamente não é suficiente para produzir a quantidade necessária dessa Vitamina, que é essencial na sintetização de praticamente todos os neurotransmissores. Portanto, sem ela, não se consegue aumentar a produção de nenhum deles.

3.     Suplementação de Ginkgo Biloba, que tem alto potencial para aumentar e manter os níveis de Dopamina e, de quebra, melhora a memória e a capacidade de raciocínio e concentração, especialmente quando associado ao DMAE.

4.     Consumo do aminoácido Tirosina (Acetil-L-Tirosina), que além de elevar o nível de Dopamina, também aumenta a Norepinefrina. É encontrado nas Carnes, peixes, aves, ovos, leite e laticínios em geral, queijos, amêndoas e castanhas, Bananas, Abacates, mas pode ser adquirido em cápsulas para suplementação.

5.     Suplementação do aminoácido L-Teanina, que é essencial na produção de vários neurotransmissores importantes no cérebro, incluindo a Dopamina. É encontrado principalmente no Chá Verde, nos cogumelos e também, em níveis residuais, nas carnes, ovos, leite e derivados. Porém, é conveniente fazer uso de suplementação sintética.

6.     Consumo de Curcumina, o ingrediente ativo da cúrcuma, presente no Açafrão da Terra que, além de uma extensa gama de outros benefícios, aumenta a produção dopamina no cérebro.


* Marcio Almeida é Engenheiro Mecânico e Engenheiro Industrial, Administrador de Empresas, MBA em Gestão Governamental e Ciência Política, Especialista em Direito Administrativo Disciplinar, pesquisador autodidata em Nutrologia e Nutrição Esportiva, História e Sociologia, Meio-Maratonista, ex Diretor de Auditoria Legislativa e ex Presidente de Processos Disciplinares na Administração Federal Brasileira, MM

Nenhum comentário: